Redes Sociais

I Liga

SAD do SC Braga regista prejuízo de 1,83 milhões de euros

Foto: Joaquim Gomes/O MINHO

A SAD do SC Braga vai apresentar na próxima assembleia-geral de acionistas um resultado líquido negativo de 1,83 milhões de euros (ME) em 2017/18, sendo que o seu passivo aumentou quase 11 ME.

Ao contrário da época anterior (2016/17), em que a SAD bracarense liderada por António Salvador registou um resultado positivo de 2,7 ME, em 2017/18 houve um prejuízo de 1,83 milhões, uma quebra explicada pela SAD pela não inclusão neste exercício de mais valias com a venda de alguns jogadores.

Segundo um comunicado da SAD ‘arsenalista’, o resultado não incorpora a venda em agosto de Vukcevic para os espanhóis do Levante (a ‘época’ contabilística termina em 30 de junho), nem de Pedro Neto e Bruno Jordão, que foram cedidos por dois anos aos italianos da Lazio com opção de compra no final da época passada, “o que impediu a contabilização total das suas transferências”.

“Não fossem estas condicionantes, cujo impacto no resultado do período seria superior a 15 ME, a SC Braga, SAD apresentaria resultados líquidos superiores a 13 ME”, considera o mesmo comunicado, que frisa que, “ainda assim, o EBITDA (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização”) atingiu o valor de 3,3 ME”.

Os rendimentos aumentaram três ME (de 15,5 para 18,5), mas os gastos subiram mais do dobro, cerca de 30 por cento, atingindo quase 31 ME (contra 23,7 da época anterior).

Destes, cerca de 18 milhões correspondem a gastos com pessoal, que englobam as remunerações (12,3) de todo o ‘staff’, dos atletas profissionais (equipas A e B) e dos atletas da formação (sub-15, sub-17 e sub-19), que transitaram do clube para a SAD, bem como os prémios de desempenho (1,5 ME).

Se o total do ativo registou um crescimento (de 48,3 ME para 57,4 ME), o passivo da SAD minhota também aumentou, sendo agora de 44,5 ME, contra 33,5 da temporada que lhe precedeu, mais 11 ME que representam um acréscimo de 32,4 por cento.

O capital próprio ascende a 12,9 ME, “o que representa uma autonomia financeira de 22,5 por cento, que, apesar da redução face ao exercício findo, continua a ser a mais elevada das SADs cotadas em Portugal”, nota a SAD ‘arsenalista’.

Os acionistas da SAD do SC Braga vão reunir apreciar e votar o Relatório e Contas de 2017/18 e o orçamento da presente temporada na próxima segunda-feira, em assembleia-geral.

Comentar

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Mais I Liga